Feb 12 / Victor Arduin

Relatório Semanal Energia - 2024 02 12

Importância do GNL americano no mercado global

  • Por conta do aumento da produção de gás natural nos últimos anos, grande parte proveniente da exploração do gás de xisto, os Estados Unidos alcançaram o status de maior exportador de GNL (gás natural liquefeito), superando países como Catar e Austrália.
  • Nos próximos anos, novos projetos devem permitir um incremento de 63 milhões de toneladas na produção. Contudo, com a decisão de suspensão de novas licenças de exportações, os EUA podem reduzir o investimento em capacidade de produção, restringindo o crescimento da disponibilidade de GNL em face da sua crescente demanda e importância para a transição energética.
  • A menor capacidade de exportações nos próximos anos é um risco para o mercado europeu, bastante dependente da importação de GNL para atender sua demanda interna.

Introdução

No mês passado, a Casa Branca decidiu suspender as licenças para projetos de exportação de GNL. Essa medida, além de responder às preocupações dos ambientalistas com a poluição decorrente da queima do gás natural, busca trazer maior estabilidade aos preços domésticos do país, que estão cada vez mais sujeitos aos riscos globais.

Atualmente, o país possui sete terminais operacionais com capacidade de produção de 87 milhões de toneladas de GNL por ano, montante expressivo capaz de abastecer países como Alemanha e França. Com as recentes mudanças, nossa análise discutirá possíveis impactos dessa decisão no mercado de gás natural global.
Figura 1: Principais Exportadores de GNL (Toneladas Métricas)

Fonte: Bloomberg

Figura 2: EUA - Gás em Armazenamento Subterrâneo em Operação

Fonte: EIA

Sem impactos significativos no mercado de GNL a curto prazo

No curto prazo, os efeitos serão limitados, já que se trata apenas do congelamento de novos projetos de exportação, o que não altera significativamente o fluxo de exportações no país. No entanto, caso essa medida se prolongue, especialmente considerando o contínuo crescimento do consumo de GNL globalmente, o mercado europeu e asiático - principais destinos das exportações americanas - serão impactados de forma significativa. Em dezembro, mais de 87% das exportações de GNL americanas foram direcionadas para esses mercados. Outro resultado possível seria uma recuperação do mercado russo de GNL na Europa, algo não desejado no momento por líderes do continente, que buscam apoiar o esforço de guerra da Ucrania.

Se por um lado a suspensão poderá ajudar reduzir preços no curto prazo, talvez no longo prazo tenha o efeito inverso, pois desincentivará investimentos. Algumas análises citam montantes em torno de US$ 100 bilhões em 2023. Ademais, o gás natural é uma importante commodity no contexto da transição energética, resultando em uma crescente demanda nos últimos anos. Apesar de emitir gases que prejudicam o meio ambiente, é uma fonte de energia mais limpa quando comparada com outros combustíveis fósseis.

Figura 3: EUA - Exportações Líquidas de GNL

Fonte: Refinitiv

Atividade econômica deverá incentivar consumo por GNL em 2024

O equilíbrio global continua a se estreitar, com previsão de um crescimento na demanda de gás natural de 2,5%, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE). À medida que os preços seguem convergindo para níveis mais moderados, após uma forte apreciação em 2022 decorrente das sanções ocidentais contra a Rússia, espera-se um maior aumento na procura por GNL. Por exemplo, em 2024, o preço do Henry Hub spot está -20% e o Dutch TTF -48% quando comparados com os níveis em 2023. Com o gás natural mais barato, ele torna-se economicamente mais vantajoso frente outras commodities energéticas, o que incentiva seu consumo.

Outro fator que deverá ajudar a impulsionar o consumo de GNL é um ambiente monetário menos restritivo. Tanto os EUA quanto a Europa estão prevendo cortes em suas taxas de juros este ano, o que deverá fortalecer as indústrias de seus países e, consequentemente, aumentar o consumo de eletricidade. Para Europa a principal fonte de energia é o gás natural, grande parte trazido via embarcações de GNL dos Estados Unidos.

Figura 4: Principais Referências de Gás Natural

Fonte: Refinitiv

Distribuidoras brasileiras adotam indexação ao Henry Hub para estabilizar custos diante da volatilidade

Por conta do aumento das exportações de GNL dos Estados Unidos, cada vez mais o gás natural americano torna-se influente no mercado mundial. Enquanto o Brent e o WTI, como commodities mais sensíveis aos eventos geopolíticos, frequentemente experimentam volatilidade que impulsiona os preços para cima, o Henry Hub, como ponto de referência para o gás natural, demonstra maior estabilidade.

Por essa razão, um número crescente de distribuidoras brasileiras está optando ao índice de preço Henry Hub, buscando diversificar a volatilidade entre diferentes ativos, como um mix de 80% Brent e 20% Henry Hub, por exemplo. Pelo menos 14 concessionárias estaduais já adotam parte de seus contratos indexados ao Henry Hub.

No entanto, os preços continuam expostos a outras fontes de volatilidade, incluindo regulamentações e sazonalidade de consumo nos Estados Unidos. Por exemplo, períodos de frio extremo tendem a impulsionar os preços do gás natural, devido ao aumento da demanda por aquecimento no país, ao mesmo tempo em que pode congelar poços de gás, reduzindo a oferta.

Agora, com as recentes mudanças nas autorizações de exportação de GNL, se mantidas por um longo período, um novo componente entra em jogo para as distribuidoras considerarem.

Em Resumo

Os efeitos da recente decisão da Casa Branca serão muito pequenos no mercado de GNL no curto prazo. Neste momento, o nível das águas do canal do Panamá oferecem mais riscos ao comércio de GNL do que mudanças do licenciamento de exportações nos Estados Unidos.

Ainda assim, precisa-se reconhecer que se prolongada essa decisão haverá um impacto significativo no balanço mundial, em especial para Europa que depende da importação de GNL americano.

Recentemente, os preços têm convergido para níveis mais baixos após anos de forte valorização. Embora essa medida possa ajudar a estabilizar os preços nos Estados Unidos, outras regiões podem enfrentar pressão de alta com menos GNL disponível no mercado no futuro.

Relatório Semanal — Energia

Escrito por Victor Arduin
[email protected]

Revisado por Livea Coda
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.