Mar 18 / Victor Arduin

Relatório Semanal Energia - 2024 03 18

O consumo de petróleo na China surpreenderá em 2024?

  • Ainda como principal driver na demanda por petróleo, surgem sinais significativos na China que levam a refletir sobre como será o seu consumo de petróleo em 2024.
  • Um ambiente monetário menos restritivo pode impulsionar o comércio global, favorecendo a economia chinesa, podendo ser um fator fundamental para o aumento do consumo de produtos derivados do petróleo no país.
  • Enquanto os serviços, apoiados pela gasolina e pelo querosene de aviação, foram os principais motores da expansão do consumo de petróleo em 2023, em 2024, a melhoria do setor industrial, através de estímulos do governo, deverá impulsionar o consume energético.

Introdução

Nos últimos anos, a China tem sido um dos países mais significativos na expansão do consumo de petróleo no mundo. O aumento da renda, resultante do forte crescimento de sua economia, aliado à sua enorme população, trouxe uma demanda significativa de combustíveis, tornando o país o maior importador mundial de petróleo desde 2017.

Prevê-se que o país aumente a sua procura de petróleo em 620 mil de bpd em 2024, significativamente abaixo dos 1,7 milhões de bpd em 2023. No entanto, Pequim tem dado sinais de estar disposta a injetar mais estímulos na economia, o que poderá surpreender os analistas do setor energético este ano. Por conseguinte, vamos aprofundar algumas informações importantes sobre o consumo de petróleo bruto da China e as suas consequências para o mercado.
Figura 1:Refino de Petróleo Bruto da China (Milhões de bpd)

Fonte: Bloomberg

Figura 2: Demanda de petróleo na China por produto em Janeiro 24 (milhões de bpd)

Fonte: OPEP

As importações de petróleo na China aumentaram 11% em 2023

A segunda maior economia do mundo tem visto redução da sua influência no mercado petrolífero nos últimos anos, com muitas projeções indicando que a Índia se tornará o principal driver do mercado no futuro. Este ponto de vista é válido, mas a China continua a ter uma importância significativa e o seu peso absoluto em termos de consumo de petróleo demorará muito tempo a ser substituído pela Índia. De acordo com os dados da OPEP, a procura de petróleo na China excedeu 16 milhões de bpd em 2023, enquanto na Índia se situou em torno de 5,34 milhões de bpd. Apesar da rápida expansão econômica da Índia, o consumo de petróleo do país corresponde a cerca de um terço da economia chinesa.

Quando examinamos a economia do país, verificamos que há mudanças significativas que afetam a sua demanda de petróleo. Até 2020, o país registou taxas de crescimento positivas, as mais elevadas do mundo. No entanto, com a implementação da política COVID-zero, o país reduziu as suas importações de petróleo de mais de 10,8 milhões de bpd em 2020 para cerca de 10,2 milhões de bpd em 2022, o que representa uma redução de 6% (-660 000 bpd). Em 2023, com a reabertura da sua economia, as importações de petróleo retomaram o crescimento, atingindo 11,28 milhões de bpd (+11% em relação ao ano anterior). Embora isso possa ter desapontado parcialmente algumas projeções que esperavam um aumento maior, também é inegável que houve um aumento significativo no consumo de petróleo do país.

Figura 3: Importações de petróleo bruto da China (milhões de bpd)

Fonte: Refinitiv

A atividade de refino nos Estados Unidos enfrenta desafios

Espera-se que o setor externo melhore para o país, à medida que as taxas de juro baixam nos Estados Unidos, resultando num enfraquecimento do dólar. Com o comércio mundial tendo mais espaço para se expandir, este fator ajudará a China. Além disso, este ano, Pequim está se mostrando mais disposta a implementar estímulos fiscais e monetários para apoiar o crescimento do PIB do país, que busca alcançar um resultado acima dos 5%, o que é um sinal positivo, uma vez que o consumo de petróleo está fortemente ligado à expansão econômica de um país.

No entanto, ainda há desafios significativos que merecem atenção. O setor da construção, muito dependente do diesel, tem atravessado uma crise nos últimos anos, piorando as expectativas de aumento do consumo de derivados do petróleo. O diesel é o principal produto das "teapots", pequenas refinarias privadas na China, caíram para os níveis de produção mais baixos dos últimos 2 anos. Desde setembro de 2023, o PMI da indústria transformadora tem estado abaixo de 50, o que indica uma contração no segmento industrial. Até agora, o setor dos serviços tem sido o principal motor do aumento do consumo de petróleo no país, principalmente devido à procura de gasolina, GPL e querosene de aviação. Isso pode mudar se o país conseguir implementar programas de apoio à sua indústria, focando no mercado imobiliário, resultando em um aumento do consumo de energia na China, talvez superior ao esperado no momento.

Figura 4: Taxa de utilização das refinarias independentes de Shandong (%)

Fonte: Bloomberg

Em Resumo

A China continua a ser um ator fundamental no consumo mundial de petróleo. As projeções sugerem que a procura de petróleo do país aumentará 620 mil de bpd em 2024, uma diminuição notável em relação aos 1,7 milhões de bpd registados em 2023. No entanto, Pequim deu sinais de estar disposta a injetar mais estímulos na economia, o que poderá surpreender os analistas do setor de energia este ano.

O país emitiu um total de 179 milhões de toneladas métricas de quotas de importação de petróleo para este ano, igualando o nível registado em 2023. No entanto, tendo em conta que estamos apenas no terceiro mês do ano, poderão ser atribuídas quotas adicionais nos próximos meses. Isto reforça a ideia de que poderão surgir mais notícias de alta para o complexo energético vindas da China.

Espera-se que a maior valorização do petróleo e dos seus derivados este ano decorra de fatores relacionados com a oferta e não com a procura chinesa. Os riscos de interrupção da oferta devido aos conflitos no Oriente Médio, bem como os ataques de drones ucranianos às refinarias russas, são exemplos de fatores que estão trazendo mais riscos de alta para o petróleo neste momento

Relatório Semanal — Energia

Escrito por Victor Arduin
victor.arduin@hedgepointglobal.com

Revisado por Livea Coda
livea.coda@hedgepointglobal.com

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente (client.services@hedgepointglobal.com), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria (ouvidoria@hedgepointglobal.com) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.