Feb 1 / Lívea Coda

Relatório Mensal Açúcar - 2024 02 01

🠔 Voltar para página principal do blog
"Com a procura sazonalmente mais elevada, especialmente considerando a aproximação das festividades do Ramadão, os preços voltaram ao nível de 24c/lb, mas não conseguiram ultrapassar os 24,5c/lb durante o mês de Janeiro. Tanto os fluxos comerciais quanto o balanço global evidenciam que o mercado está em um momento de equilíbrio frágil. Qualquer evento, seja de alta ou de baixa, pode acionar o preço e trazer fundos de volta ao jogo."

Balanço Global de Açúcar e Fluxo Comercial

Com a procura sazonalmente mais elevada, especialmente considerando a aproximação das festividades do Ramadão, os preços voltaram ao nível de 24c/lb, mas não conseguiram ultrapassar os 24,5c/lb durante o mês de Janeiro.

É claro que o Brasil continua a contribuir para o lado baixista, sendo responsável por compensar quase toda a ausência do Hemisfério Norte. Mas devemos nos manter cautelosos: o mercado está num equilíbrio apertado. Passando de um déficit para um excedente, o equilíbrio global parece sinalizar uma faixa de preços estreita, com alta volatilidade esperada. Os fluxos comerciais mostram o mesmo: caminhamos na corda bamba. Qualquer evento, seja de alta ou de baixa, pode acionar o preço e trazer fundos de volta ao jogo.

Parece que o mercado aguarda silenciosamente um sinal e, nesse contexto, analisar algumas variáveis ​​tornou-se essencial. A principal delas é o clima. Será que este contribuirá para outra excelente safra no Centro-Sul? Embora acreditemos estar inclinando-se para o lado baixista - até agora o clima não foi ideal, mas definitivamente não foi catastrófico - um verão mais seco do que a média poderia contribuir para o lado altista da equação. Além disso, teremos um ano de La Niña? Esta última pergunta ainda é bastante prematura para ser respondida. No entanto, assumindo um clima mais “normal”, o mercado deverá permanecer preso nesta faixa por um tempo, mas se afastando de grandes recuperações de preços.


Figura 1: Fluxo Comercial Total ('000t)
Figura 2: Fluxo Comercial de Açúcar Bruto ('000t)

Fonte: hEDGEpoint

Fonte: hEDGEpoint

Figura 3: Fluxo Comercial de Açúcar Branco ('000t)
Figura 4: Balanço Global de Açúcar (MT RV out-set)

Fonte: hEDGEpoint

Fonte: hEDGEpoint

Brasil CS

Figura 5: Balanço de Açúcar - Brasil CS (Mt abr-mar)

Fonte: Unica, MAPA, SECEX, hEDGEpoint

A moagem já atingiu 645,4Mt na primeira quinzena de janeiro. Isso significa que se o clima continuar na média ou um pouco abaixo, a região poderá acabar moendo toda a sua disponibilidade 23/24 - que está perto de 655 Mt. 

Para a próxima safra, o clima não tem sido totalmente favorável ao desenvolvimento da cana, portanto, não devemos esperar que a moagem atinja os mesmos níveis de 23/24. Atualmente, estimamos cerca de 620 Mt de cana, o que, aliado a um mix de açúcar mais elevado, de quase 51%, poderia levar ao segundo melhor nível de produção de açúcar da região Centro-Sul. Observe que, embora haja um risco de alta em relação ao clima, os investimentos no processo de cristalização podem induzir um mix de açúcar ainda mais elevado.

Figura 6: Exportações Totais - Brasil CS ('000t) 

Fonte: SECEX, Williams, hEDGEpoint

Figura 7: Estoque - Brasil CS ('000t)

Fonte: Unica,MAPA, SECEX, Williams, hEDGEpoint

Brasil CS Etanol

Figura 8: Ciclo Otto - Brasil (M m³)

Fonte: ANP, Bloomberg, hEDGEpoint

Os resultados do Ciclo Otto foram decepcionantes em 2023. Embora as vendas para o mercado interno tenham aumentado o último mês do ano, isso apenas respeitou a sazonalidade habitual e teve pouco impacto nas expectativas gerais de estoque. 


A maior disponibilidade de cana e o clima mais seco podem impedir qualquer recuperação significativa dos preços, especialmente devido ao movimento habitual do mix de açúcar durante a entressafra.
O Centro-Sul ainda deverá encerrar a safra 23/24 com maior disponibilidade tanto de hidratado quanto de anidro, mantendo os preços em patamar reduzido.

Figura 9: Estoque Final de Anidro - Brasil CS ('000 m³) 

Fonte: Unica, MAPA, ANP, SECEX, hEDGEpoint

Figura 10: Estoque Final de Hidratado - Brasil CS ('000 m³) 

Fonte: Unica, MAPA, ANP, SECEX, hEDGEpoint

Brasil NNE

Figura 11: Balanço de Açúcar - Brasil NNE (Mt abr-mar)

Fonte: MAPA, SECEX, hEDGEpoint

Até o final de dezembro, o NNE já produziu 13% mais açúcar A/A, atingindo 2,3Mt. Os números sugerem que a região deve encerrar a temporada moendo cerca de 63Mt de cana. Juntamente com um mix de 47% de açúcar, a produção total de açúcar pode chegar a 3,6Mt.


A região continua recebendo chuvas acima do normal, especialmente no Leste de Alagoas, o que pode prejudicar a operação de algumas usinas. Contudo, as chuvas são bem-vindas, pois podem ser benéficas para a cana do próximo ano - caso permaneçam até o seu período chave de desenvolvimento.


Figura 12: Exportações Totais - Brasil NNE ('000t)

Fonte: SECEX, hEDGEpoint

Índia

Figura 13: Balanço de Açúcar - Índia (Mt out-set) 

Fonte: ISMA,AISTA, hEDGEpoint

Os últimos números da produção de açúcar da Índia, divulgados pela ISMA, atenderam às expectativas e diminuíram a diferença em relação à temporada passada para 5,3%, incluindo a primeira quinzena de janeiro. 

As condições climáticas favoráveis ​​contribuíram para que os comissários da cana em estados-chave como Uttar Pradesh, Maharashtra e Karnataka aumentassem as suas estimativas de produção de açúcar para a temporada em 5% a 10% cada.


Este movimento deixou-nos confortáveis ​​em manter as nossas estimativas de produção de açúcar de quase 32Mt sem qualquer exportação, especialmente considerando que a disponibilidade adicional levou a ISMA a solicitar outra permissão de desvio de açúcar de 1-1,2Mt para o etanol.

Figura 14: Exportações Totais - Índia ('000t exc. Refinarias Costeiras)

Fonte: ISMA,AISTA, hEDGEpoint

Tailândia

Figura 15: Balanço de Açúcar - Tailândia (Mt dez-nov) 

Fonte: Thai Sgar Millers, Sugarzone, hEDGEpoint

À medida que a temporada 23/24 avança, a queda anual diminui, mas permanece ampla. Ao final da primeira quinzena de janeiro, a Tailândia havia produzido 2,3Mt de açúcar, uma queda de 18% em relação a 22/23.


Devemos ter em mente que as usinas começaram a funcionar 10 dias depois do habitual, porém os efeitos da seca estão mais do que confirmados. Nossas estimativas permanecem inalteradas em relação ao último relatório, com 8,2Mt do adoçante sendo produzidos e apenas 5,3Mt exportados.

Figura 16: Exportações Totais Tailândia ('000t)

Fonte: Thai Sgar Millers, hEDGEpoint

UE 27 e Reino Unido

Figura 17: Balanço de Açúcar - UE27+RU (Mt out-set)

Fonte: EC, Greenpool, hEDGEpoint

Embora as nossas projeções permaneçam inalteradas, vale a pena mencionar alguns desenvolvimentos relativos à Europa. Em janeiro, o governo do Reino Unido anunciou a aprovação condicional de um pesticida neonicotinóide para utilização durante a colheita de beterraba sacarina de 2024 na Inglaterra, desde que a beterraba esteja sujeita a um risco de incidência do vírus superior a 65%. 

Esta decisão permite-nos manter o otimismo em relação à disponibilidade da região.

Além disso, para 24/25, o clima mais frio no Velho Continente reduz a probabilidade de pulgões e pode ser positivo para o desenvolvimento da beterraba.

México

Figura 18: Balanço de Açúcar - México (Mt out-set) 

Fonte: Conadesuca, Greenpool, hEDGEpoint

Continuamos firmes em nossa posição de que o México não atingirá 5Mt de produção de açúcar em 23/24. O resumo do avanço da safra da Conadesuca explicita a situação, com queda na área (-1%), produtividade (-1%), produtividade de açúcar (-9,2%) e açúcar (-9,2%).


Em comparação com as suas primeiras estimativas (quase 6Mt para 23/24 e cerca de 1,7Mt até 20 de Janeiro), a produção de açúcar já é menor em 500kt. O país produziu 1,2Mt do adoçante até à data. Em comparação com a temporada passada, a diferença é menor em 120kt. Até agora, os números realizados atenderam às nossas expectativas.


Figura 19: Exportações totais - México ('000t)

Fonte: Conadesuca, Greenpool, hEDGEpoint

EUA

Figura 20: Balanço de Açúcar -EUA (Mt out-set) 

Fonte: USDA, hEDGEpoint

Revisamos para cima as expectativas quanto a produção dos EUA após o segundo mês consecutivo em que o USDA apontou resultados melhores do que o previsto, especialmente em relação à beterraba.



Embora as áreas de cana tenham sido penalizadas pelas condições climáticas adversas, a agência prevê uma produção recorde de beterraba durante 23/24. Isto aumenta a disponibilidade total do adoçante, garantindo importações inferiores às estimadas anteriormente. Os resultados da beterraba não poderiam vir em melhor hora. Embora o país ainda precise diversificar as suas origens de importação, devido à quebra de safra mexicana, os estoques não correm um grande risco.

Guatemala

Figura 21: Balanço de Açúcar - Guatemala (MT out-set)

Fonte: Cengicaña, Sieca, Azucar.gt,Greenpool, hEDGEpoint

A moagem de cana permanece 4,6% menor do ano passado até 21 de janeiro, ficando abaixo de 1Mt. A produtividade e a recuperação do açúcar foram afetadas pela seca.


Nossa expectativa permanece inalterada com uma produção menor (2.4Mt) e exportações também marginalmente menores (1.6Mt) que em 22/23. Os preços atuais e a atribuição de quotas FRQ dos EUA são motivos que dão suporte à participação do país no comércio internacional.

Figura 22: Exportações Totais - Guatemala ('000t) 

Fonte: Sieca

El Salvador

Figura 23: Balanço de Açúcar - El Salvador (MT out-set)

Fonte: Cengicaña, Sieca, Azucar.gt,Greenpool, hEDGEpoint

El Salvador iniciou a safra um pouco mais tarde do que o habitual e produziu, até o final de janeiro, apenas 288kt de açúcar. Isto representa uma queda anual de 16%, já que na mesma época do ano passado, a produção do país era de quase 350kt.

A implicação direta é que devemos ver os dados de exportações da SIECA confirmando volumes mais baixos durante o T4-2023, apenas para aumentar no final T1-2024. Porém a agência trabalha com quase 6 meses de atraso.

Rússia

Figura 24: Balanço de Açúcar - Rússia (Mt set-out)

Fonte: Ikar, Sugar.ru, Greenpool, hEDGEpoint

Não houve alterações em nossas expectativas para 23/24.

De acordo com R.V. Nekrasov, diretor do Departamento do Ministério da Agricultura da Rússia, a área designada para o cultivo de beterraba sacarina deverá expandir-se marginalmente para 1.068,5 mil hectares até 2024. Isto significa que, dado o clima favorável, o país deverá manter os seus excelentes resultados durante 24/25.


China

Figura 25: Balanço de Açúcar - China (Mt out-set)

Fonte:GSMN, CSA, Refinitiv, Greenpool, hEDGEpoint

Obs: os estoques consideram volume parado na alfândega e os volumes de importação totais (açúcar, xarope e contrabando estimado)

A China atingiu 3,2Mt de açúcar produzido até o final de dezembro, volume semelhante ao da temporada passada.

Apesar dos relatos de condições climáticas adversas, como geadas no norte de Guangxi e precipitações acima da média que poderiam afetar o teor de sacarose da cana, mantivemos nossas expectativas de produção inalteradas.

As importações de dezembro superaram as expectativas, levando a uma redução mais pronunciada nos próximos meses, em linha com os padrões sazonais, quando os fornecedores nacionais operam a plena capacidade.

Figura 26: Importações Totais - China ('000t exc. contrabando e xarope) 

Fonte: GSMM, hEDGEpoint

Figura 27: Produção Total - China ('000t)

Fonte: CSA, Refinitiv, Greenpool, hEDGEpoint

Inteligência de Mercado - Açúcar e Etanol

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Natália Gandolphi
[email protected]

Mesa de Açúcar e Etanol

Murilo Mello
[email protected]

Vipul Bhandari
[email protected]

Gabriel Oliveira
[email protected]

Etori Veronezi
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.