Jan 12 / Alef Dias e Pedro Schicchi

Relatório Mensal Pós-WASDE - 2024 01 12

🠔 Voltar para página principal do blog
"Resultados do relatório do USDA de janeiro."

Soja: contrário às nossas expectativas, o USDA cortou a produção do Brasil

Figura 1: Soja Brasil – Produção (M ton)

Fonte: USDA, Bloomberg, hEDGEpoint

Na soja, todos os olhares estavam voltados para a produção brasileira, mas os números dos EUA e da Argentina surpreenderam.

O corte na produção do Brasil, embora grande, ficou alinhado com as estimativas (-4M ton). Adicionalmente, é interessante ressaltar que o número (157M ton) ainda está acima da média das estimativas privadas (152-155).

Os números da produção final dos EUA ficaram mais próximos do limite superior das estimativas, devido a prdutividade superior ao esperado.

Da mesma forma, a produção da Argentina aumentou em +2M ton M/M, chegando a 50M ton e adicionando ao tom baixista do relatório.

Milho: maiores produções nos EUA e na China

Figura 2: Milho Mundo – Estoques (M ton)

Fonte: USDA, Bloomberg, hEDGEpoint

No milho, o USDA também aumentou a produção dos EUA, enquanto os agentes esperavam poucas mudanças, o que deu um tom de baixa ao relatório.

A safra do Brasil foi cortada em 2M ton. Embora altista no papel, a mudança já era esperada pelo mercado.

Contudo, a maior surpresa veio no balanço da China. O USDA aumentou a produção do país em 11M ton, seguindo os números oficiais do país.

Contudo, o USDA não reduziu sua estimativa de importação, como seria de se esperar neste cenário. Por sua vez, os estoques mundiais aumentaram muito mais do que o esperado. Ainda assim, destacamos que com mais produção, a China poderá ter menos apetite por milho importado, possivelmente afetando os balanços nas Américas no futuro.

Trigo: Demanda chinesa incorporada ao balanço dos EUA

Figura 3: Trigo EUA - Estoque Final (M bu)

Fonte: USDA, Bloomberg, hEDGEpoint

A Rússia e a Ucrânia contribuíram para um aumento de quase 2M mt na produção mundial e estoques finais globais mais altos do que o esperado em 23/24. Os estoques iniciais da Ucrânia também contribuíram para esse tom baixista, com um aumento de 2,2M mt devido a revisões para baixo nas estimativas de ração e uso residual desde 2021/22.

Também é importante observar que as exportações de ambos os países foram aumentadas. Do ponto de vista logístico, faz sentido no caso da Ucrânia - já que o país está conseguindo exportar mais por meio dos portos de Odesa. Mas os 51M mt estimados para a Rússia parecem otimistas demais, pois o país provavelmente enfrentaria problemas logísticos para exportar tais quantidades, e seu ritmo de exportação está diminuindo nos últimos dois meses.

Por último, mas não menos importante, é importante mencionar que o relatório de semeadura do trigo de inverno trouxe um sinal muito altista para a próxima safra, com uma queda de 7% na área plantada dos EUA.
Legenda dos Gráficos

Report Semanal — Grãos

Escrito por Alef Dias
[email protected]


Escrito por Pedro Schicchi
[email protected]

Revisado por Thaís Italiani
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.