Dec 4 / Lívea Coda

Relatório Semanal Açúcar e Etanol - 2023 12 04

🠔 Voltar para página principal do blog
"Os resultados positivos esperados quanto a produção de açúcar ajudam a mitigar o déficit previsto, mantendo seus preços abaixo de 28c/lb. Enquanto o ritmo de sua exportação deve melhorar, o mercado de biocombustíveis, especialmente o etanol, enfrenta uma tendência de baixa com uma correção de quase 25% nos preços desde o início da safra."

Onde está o déficit?

  • Impulsionados pela produtividade acumulada da cana acima de 89 t/ha em outubro, revisamos a disponibilidade total do Centro-Sul para 655 Mt.

  • Apesar dos possíveis desafios climáticos, a região deve esmagar cerca de 645 Mt até o final de março, deixando 10 Mt no campo.

  • O Centro-Sul pode produzir 41,6 Mt de açúcar, superando as estimativas anteriores em 1,1 Mt. A maior disponibilidade de cana nesta temporada estabelece um tom positivo para 24/25, com o potencial de produção superior a 43 Mt se as condições climáticas cooperarem.

  • Os resultados positivos esperados quanto a produção de açúcar ajudam a mitigar o déficit previsto, mantendo seus preços abaixo de 28c/lb. Enquanto o ritmo de sua exportação deve melhorar, o mercado de biocombustíveis, especialmente o etanol, enfrenta uma tendência de baixa com uma correção de quase 25% nos preços desde o início da safra.
O último relatório da Unica trouxe à tona uma disponibilidade de cana muito maior do que a prevista anteriormente para o Centro-Sul. Com a produtividade acumulada da cana permanecendo acima de 89 t/ha em outubro, a total disponibilidade da matéria-prima pode ser estimada em 655 Mt - ou até mais! A única coisa que tem atrapalhado as usinas é o clima: à medida que a região se aproxima do verão, o regime de precipitação se intensifica. Levando em conta outras duas ou três boas quinzenas, a região deve moer cerca de 645 Mt até o final de março.

Figura 1: Estimativa de produtividade acumulada da cana (t/ha)

Fonte: UNICA, Conab, hEDGEpoint

Observe que, até a primeira quinzena de novembro, a região moeu mais de 595 Mt. Em média, a região moi cerca de 15 Mt na segunda quinzena do mês, mas já atingiu 28 Mt em 13/14. Se considerarmos que naquela época houve quase dois dias perdidos e que este ano teremos quase três, a região pode esmagar pelo menos 23 Mt, chegando a quase 620 Mt ainda no final do mês. Estendendo esse raciocínio até dezembro e considerando um início antecipado em 24/25, chegamos à estimativa de 645 Mt.

É claro que o mix começará a reduzir com todas as chuvas previstas e a qualidade inferior da cana de fim de safra. No entanto, seu nível ao final da safra ainda pode chegar a um resultado bastante açucareiro. Com cerca de 139,2 kg/t e 48,7% sendo redirecionados para o açúcar, a região pode produzir 41,6 Mt do adoçante, 1,1 Mt a mais do que nossa estimativa anterior.

Figura 2: Estimativas de moagem por quinzena (Mt)

Fonte: UNICA, hEDGEpoint

Ter maior disponibilidade de cana nesta temporada e deixar pelo menos 10 Mt no campo afeta diretamente as perspectivas para 24/25. Se o clima cooperar, o próximo ano pode ser uma repetição dos ótimos resultados vistos em 23/24, impulsionando uma tendência de baixa: com o aumento da capacidade de cristalização, a produção de adoçante do próximo ano pode ultrapassar 43 Mt.

Esse excelente resultado suaviza grande parte do déficit previsto, deixando um pouco apenas para o 1T/24. Portanto, não é de se admirar que os preços do açúcar não tenham conseguido romper níveis importantes de resistência, permanecendo abaixo de 28c/lb.

Figura 3: Nível de resistência do açúcar bruto em c/lb

Fonte: Refinitiv, hEDGEpoint

A menor disponibilidade do Hemisfério Norte é um fato, assim como a grande safra de açúcar do Brasil. A única questão que permanece é se este último conseguirá exportar o adoçante para suavizar os fluxos comerciais. Atualmente, o açúcar não está competindo com outros produtos, mas com o clima que retarda sua elevação. Os dias perdidos em novembro já foram mais escassos que em outubro, e espera-se que dezembro seja ainda mais positivo. Isso significa que os dias de espera devem diminuir, aumentando o ritmo das exportações.

Mais baixista do que o açúcar, no entanto, é o mercado de biocombustíveis. 
 

Figura 4: Fluxos comerciais totais ('000t)

Fonte: Green Pool, hEDGEpoint

O aumento do volume de matéria-prima e a diminuição do mix de açúcar no final da safra, quando não correspondidos pela demanda, são a combinação perfeita para o colapso dos preços. Embora ambas as qualidades, hidratado e anidro, tenham prosperado em termos de produção, as vendas domésticas não acompanharam esse ritmo. A produção total variou em 12,5% e 8,7%, respectivamente, enquanto as vendas totais aumentaram apenas 5,5% e 2,7%, induzindo à formação de estoques.

Como resultado, o índice de preços do CEPEA mostra uma correção de quase 25% desde o início da safra para ambas as qualidades - e não se espera que essa tendência seja de curta duração. A única maneira de os preços reagirem seria se a demanda viesse de encontro. No entanto, mesmo com a aproximação das festas de fim de ano, é difícil imaginar que os estoques caiam abaixo da média. Nesse sentido, o etanol não nos parece ser uma ameaça para o açúcar, mesmo com o mercado do adoçante se tornando mais baixista.


Figura 5: Índice Semanal CEPEA para Anidro e Hidratado (BRL/L)

Fonte: CEPEA, Refinitiv, hEDGEpoint


A pergunta que permanece é: quando o mercado perceberá que o Brasil está suavizando uma parte relevante do déficit previsto? Talvez estejamos em um momento de esperar para ver em que todos estão aguardando as chuvas de dezembro e o ritmo das exportações no Sul.

Em resumo

O mercado de açúcar parece estar se aproximando de um ponto de inflexão: os fundamentos de alta estão dando lugar a uma visão mais baixista. É claro que a capacidade de exportação do Brasil continua sendo a maior fonte de volatilidade, pois está altamente ligada ao regime de precipitação. 

Atualmente, o adoçante não está competindo com outros produtos na fila para carregamento, mas sim com o clima. Se dezembro for mais seco, ajudando a reduzir o tempo de espera, poderemos ver algumas correções nos preços do adoçante, especialmente se o clima também for favorável para o desenvolvimento da safra 24/25. Em suma, romper a barreira dos 30c/lb parece estar ficando cada vez mais difícil.

Relatório Semanal — Açúcar

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Victor Arduin
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.