Dec 18 / Lívea Coda

Relatório Semanal Açúcar e Etanol - 2023 12 18

🠔 Voltar para página principal do blog
"Apesar dos indicadores técnicos sugerirem uma recuperação para 24c/lb, os fundamentos, como a compensação Brasileira nos fluxos comerciais e a maior produção de açúcar na Índia, contribuem para uma perspectiva de baixa."

Voltamos a olhar para as paridades?

  • Na semana passada, tudo girava em torno de análise técnica: os traders observaram ansiosamente a retração de Fibonacci enquanto o açúcar testava e não conseguia se recuperar por diversas, fechando a semana em 21.99 c/lb.

  • Apesar dos indicadores técnicos sugerirem uma recuperação para 24c/lb, os fundamentos, como a compensação Brasileira nos fluxos comerciais e a maior produção de açúcar na Índia, contribuem para uma perspectiva de baixa.

  • Os preços do açúcar ainda podem encontrar suporte durante a entressafra brasileira, mas sua extensão e intensidade estão altamente ligadas ao lado da demanda.

  • Se a demanda começar a se aquecer em janeiro, os preços poderão ficar confortáveis entre 22 e 24 c/lb. No entanto, à medida que nos aproximarmos do início da safra 24/25 do Centro Sul, os preços poderão se corrigir mais uma vez, fazendo com que o mercado volte a monitorar as principais paridades. A paridade de exportação da Índia está fora de jogo, atualmente entre 19,5 e 20 c/lb, porém a de importação da China persiste, estimada entre 18,8 e 19,3 c/lb.
Na semana passada, tudo girava em torno de aspectos técnicos: os traders observaram ansiosamente a retração de Fibonacci enquanto o açúcar tentou e não conseguiu se recuperar várias vezes, fechando a semana em 21.99c/lb. Preso em uma faixa entre 21,5 e 23,5 c/lb, é seguro dizer que uma resistência foi encontrada juntamente a um suporte, e adivinhar para onde os preços poderiam ir a partir daqui ficou extremamente difícil. Embora muitos possam argumentar que uma recuperação para o nível de 24 c/lb é bastante possível, pensando estritamente no lado técnico, os fundamentos não parecem estar na mesma página.

Figura 1: Retração de Fibonacci - Contrato Corrente de Açúcar Bruto em c/lb

Fonte: Refinitiv, hEDGEpoint

O Brasil compensará grande parte do déficit dos fluxos comerciais, e uma maior produção indiana de açúcar também contribui para um equilíbrio global mais baixista, conforme discutido em relatórios anteriores. É claro que os preços do açúcar bruto ainda devem encontrar suporte durante a entressafra brasileira, mas sua extensão e intensidade estão altamente correlacionadas ao lado da demanda e, até o momento, esta última tem decepcionado.

Uma boa medida da ação do mercado são os prêmios do físico. Como o Brasil é atualmente o principal fornecedor, esperava-se que seus valores estivessem no limite superior das observações, especialmente devido às expectativas de déficit do mercado, mas não estão. De fato, eles estão próximos da média. De acordo com a Refinitiv, o valor do prêmio em dezembro está sendo negociado a -5pts/0, enquanto janeiro está passando de +5pts para +10pts - ainda abaixo dos níveis de 2022, quando um ano de déficit também estava sendo precificado. Será que estamos realmente em um déficit? Talvez ele simplesmente não seja grande o suficiente.

Figura 2: Prêmio do físico do açúcar bruto - Santos FOB em c/lb

Fonte: IRefinitiv, hEDGEpoint

Monitorar a demanda e sua ânsia tornou-se uma obrigação, mas não podemos separá-la do lado da oferta. O mercado pode estar se perguntando se a ideia de um déficit estrutural, que afirma que o crescimento da demanda acabará por superar a capacidade de produção, é de fato o rumo que o mercado de açúcar está tomando. O Brasil, por exemplo, provou que preços mais altos induzem investimentos tanto na capacidade de produção quanto na logística, atingindo um recorde e nos levando a esperar outro ano excelente para 24/25. Do lado da demanda, embora muitos países emergentes ainda apresentem um crescimento anual positivo, os países desenvolvidos podem estar à beira de uma desaceleração, o que, combinado com o encolhimento da população e a tributação do açúcar, contribui para o lado baixista da equação.

Figura 3: Estimativa histórica do saldo global de açúcar (Mt) versus preços médios da matéria-prima (c/lb)

Fonte: USDA, Green Pool, Refinitiv, hEDGEpoint

Como se não fosse complexo o suficiente, temos o clima, que pode de fato ser a principal variável que gera grandes desequilíbrios entre a oferta e a demanda global, pelo menos atualmente. Como a mudança climática leva o mundo a maiores adversidades e quebras de padrões, ela pode afetar diretamente o fornecimento.

Com foco no curto prazo, a previsão do tempo dos EUA afirmou que o El Niño deve continuar a ter seu efeito no Hemisfério Norte durante o inverno, mas tem 60% de chance de fazer a transição para ENSO-Neutro durante o período de abril a junho.

Conforme discutido em nosso relatório anterior, isso fortalece a história de baixa, pois indica um retorno à precipitação média durante o período de desenvolvimento da safra 24/25 do Hemisfério Norte. Juntamente com o otimismo do mercado em relação à produção do Brasil, isso significa que o último suspiro de alta pode ser no primeiro trimestre de 24 - se a demanda permitir.

Figura 5: Paridades-chave do açúcar bruto em c/lb

Fonte: Refinitiv, Bloomberg, hEDGEpoint

Estamos chegando a uma época do ano em que tudo se move lentamente. Sim, poderíamos ter uma recuperação nos preços, mas talvez 24 c/lb seja o novo teto. Se a demanda começar a se aquecer em janeiro, os preços poderão ficar confortáveis entre 22 e 24 c/lb. Entretanto, à medida que nos aproximarmos de abril, os preços poderão começar a se corrigir e poderemos voltar a olhar para as pricipais paridades do mercado. A paridade de exportação da Índia está fora de jogo, atualmente em 19,5 - 20 c/lb, mas a paridade de importação da China persiste, estimada entre 18,8 e 19,3 c/lb: o mercado pode alcançar os seus níveis muito antes de atingir os do etanol.

Em resumo

De um mercado técnico à compreensão dos fundamentos por trás do derretimento dos preços: há muito a ser monitorado para entender para onde os preços estão indo. O Brasil provou que pagar o suficiente leva a grandes investimentos e à expansão da capacidade, enquanto a demanda pode ser mais cautelosa do que nos anos anteriores. O clima sempre foi uma fonte de volatilidade e deve continuar sendo, assim como as decisões políticas. Em suma, o mercado parece estar convergindo para os níveis de suporte e paridades anteriores.

Relatório Semanal — Açúcar

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Victor Arduin
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.