Jan 4 / Autor

Relatório Semanal Açúcar e Etanol - 2024 01 04

🠔 Voltar para página principal do blog
"A falta de precipitação e a temperatura mais alta nas áreas produtoras de cana do CS representam uma ameaça se o padrão se estender até janeiro e fevereiro. O estágio de extensão do caule da cana é particularmente suscetível aos riscos de seca, levando a uma redução da produtividade se for estressado por um longo período. Embora possa sinalizar uma redução nas expectativas de 24/25, está longe de ser uma quebra de safra, oferecendo suporte aos preços, mas não induzindo uma forte recuperação. "

Todos os olhos estão voltados para o clima

  • Um piso de curto prazo em 20c/lb foi estabelecido após uma queda significativa do mercado, motivada pela constatação de que o Brasil tem mais matéria-prima do que o previsto inicialmente.

  • As estimativas iniciais para a safra 24/25 do Brasil são positivas, projetando um potencial de 640 Mt, com uma pequena correção na produtividade, parcialmente compensada pelo potencial de cana bisada.

  • A análise mensal do comportamento dos spreads indica uma curva mas achatada entre os contratos de julho e outubro de 2024, sugerindo uma precificação da atual expectative de maior disponibilidade. No entanto, restrições climáticas persistentes podem alterar essa dinâmica.

  • Os dados de precipitação acumulada nas áreas produtoras de cana seguem a média, com exceção de dezembro, quando o índice se achatou, o que pode representar uma ameaça se o padrão se estender até janeiro e fevereiro
As duas semanas anteriores testemunharam um mercado mais contido em meio as festividades de fim de ano. O volume não foi significativo e os preços permaneceram em uma faixa estreita entre 20,5 e 21,7c/lb. Depois de um grande colapso após a constatação de que o Brasil tem mais matéria-prima do que o previsto anteriormente, 20c/lb provou ser um piso de curto prazo.

Ao entrarmos em 2024, a tendência de baixa se solidificou, tornando bastante difícil defender um retorno aos 28c/lb. Entretanto, como é de praxe no início de cada ano, o clima pode aumentar a volatilidade. Muitas casas divulgaram suas primeiras estimativas para 24/25 com relação ao Centro Sul brasileiro e as perspectivas são boas. Conforme discutido anteriormente, nosso primeiro palpite seria uma pequena correção na produtividade parcialmente compensada pelo potencial de cana bisada, o que significa que o país poderá produzir 640 Mt no próximo ano - quase tão bom quanto 23/24. No entanto, à medida que o tempo passa e a precipitação não se mantém nos níveis médios, talvez seja necessário fazer uma nova estimativa. Ainda é cedo para dizer, mas os dias perdidos foram mínimos na segunda quinzena de dezembro, o que nos permite esperar que as usinas tenham moído o máximo que puderam, reduzindo o potencial de bisada. Além disso, se persistente, a falta de chuva pode induzir a um desenvolvimento mais fraco da cana.
Figura 1: Volume a preço entre 1º de dezembro de 2023 e 3 de janeiro de 2024 (c/lb vs. nº de lotes)
Figura 2: Estimativa de dias perdidos por quinzena no CS (número de dias considerando o limite de 5 mm)

Fonte: Refinitiv, hEDGEpoint:

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Uma possível redução da safra brasileira de 24/25 poderia dar sustentação aos preços do açúcar, principalmente para os contratos de julho e outubro de 2024. Apesar de as variações recentes terem ocorrido com volume reduzido, um exame do comportamento do spread mensal revela um achatamento da curva entre esses meses. Isso sugere que o mercado continua precificando uma maior disponibilidade, mas já está monitorando as condições da nova safra brasileira - a valorização semanal de março e maio foi menor do que a dos contratos de julho e outubro de 2024. Se as condições climáticas persistirem restritivas ao desenvolvimento da cana, poderemos ver uma mudança na estrutura da curva futura.

Figura 3: Estrutura dos spreads (c/lb)

Fonte: Fonte: Refinitiv, hEDGEpoint

Até o momento, os dados de precipitação acumulada indicam que 2023 acompanhou de perto a média em áreas cruciais de produção de cana, exceto em dezembro. Durante esse mês, o índice se achatou, aproximando-se ou ficando abaixo dos níveis previstos. Esse padrão pode representar uma ameaça se continuar em janeiro e fevereiro. O estágio de extensão do caule da cana é particularmente suscetível a riscos de seca, levando a uma redução da produtividade se estressado. Além disso, a demanda de água durante essa fase é a mais alta. Combinando o calor intenso e a menor precipitação observada até o momento, a correção da produtividade pode ser mais acentuada que o previsto anteriormente, restringindo a disponibilidade.

No entanto, observe que a situação é muito mais confortável do que quando comparada ao padrão de precipitação de 2021-2022, especialmente dado que as previsçoes climáticas apontam para chuvas acima/próximas a media em janeiro e fevereiro. Em breve, divulgaremos nossa visão atualizada, mas é seguro dizer que não estamos falando de uma quebra de safra, longe disso, na verdade, estamos apenas ajustando as expectativas de que ela pode não ser tão grande quanto a de 23/24.

Figura 4: Temperatura esperada (ºC à esquerda) e anomalia de precipitação (mm/dia à direita) entre 3 e 17 de janeiro.

Fonte: NOAA, hEDGEpoint

Figura 5: Precipitação acumulada (mm) - Ribeirão Preto | SP
Figura 6: Precipitação acumulada (mm) - São José do Rio Preto | SP

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Figura 7: Precipitação acumulada (mm) - Araçatuba | SP
Figura 8: Precipitação acumulada (mm) -  Bauru | SP

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Figura 9: Precipitação acumulada (mm) - Presidente Prudente | SP
Figura 10: Precipitação acumulada (mm) - Araraquara | SP

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Figura 11: Precipitação acumulada (mm) - Mineiros | GO
Figura 12: Precipitação acumulada (mm) - Triângulo Mineiro | MG

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Figura 13: Precipitação acumulada (mm) - Nova Alvorada do Sul | MS

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Em resumo

Um piso de curto prazo de 20c/lb foi estabelecido após uma queda significativa do mercado, provocada pela constatação de que o Brasil tem mais matéria-prima do que o previsto inicialmente. Juntamente com as estimativas iniciais para a safra 24/25 do Brasil, torna-se difivil acreditar em uma reação acentuada dos preços.

A falta de precipitação e a temperatura mais alta nas áreas produtoras de cana representam uma ameaça se o padrão se estender até janeiro e fevereiro. O estágio de extensão do caule da cana é particularmente suscetível aos riscos de seca, levando a uma redução no rendimento se for estressado por um longo período. Embora possa sinalizar uma redução nas expectativas de 24/25, está longe de ser uma quebra de safra, oferecendo suporte aos preços, mas não induzindo uma forte recuperação.

Relatório Semanal — Açúcar

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Victor Arduin
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.