Jan 8 / Lívea Coda

Relatório Semanal Açúcar e Etanol - 2024 01 08

🠔 Voltar para página principal do blog
"As chuvas decepcionantes de dezembro e as temperaturas mais altas levaram a uma queda significativa na umidade do solo nas principais regiões produtoras de cana, aumentando as preocupações quanto ao TCH (toneladas de cana por hectare) na próxima temporada."

24/25 será menor, mas não uma quebra

  • As chuvas decepcionantes de dezembro e as temperaturas mais altas levaram a uma queda significativa na umidade do solo nas principais regiões produtoras de cana, aumentando as preocupações quanto ao TCH (toneladas de cana por hectare) na próxima temporada.

  • Revisamos nossas estimativas para as safras 23/24 e 24/25. Com o clima mais seco do último mês, é plausível que a safra 23/24 acabe moendo toda a matéria-prima disponível, atingindo o nível de 651,5 Mt.

  • Enquanto isso, os preços recuperaram parte do terreno perdido após a queda significativa no mês passado, impulsionados por revisões para baixo da safra 24/25 do Centro Sul. A falta de chuvas reduziu a expectativa de cana bisada e aumentou a queda esperada para o TCH. Portanto, revisamos para baixo a disponibilidade de cana de 640Mt para 620Mt. Impactando diretamente a produção de açúcar.

  • Entretanto, mesmo com uma redução na produção total da temporada 24/25, o Brasil continua sendo o principal componente de baixa. O país pode resolver os fluxos comerciais por conta própria, simplesmente aumentando as exportações durante a ausência do Hemisfério Norte, o que se mostrou uma realidade nos últimos dois meses.
Conforme discutido em nosso relatório anterior, as chuvas de dezembro foram decepcionantes em toda a região Centro Sul. Combinadas com temperaturas mais altas, induziram a uma grande queda na umidade do solo nas principais regiões produtoras de cana, como o estado de São Paulo. Isso contribui para a previsão de que a próxima safra pode não testemunhar outro ano de excelente TCH (toneladas de cana por hectare), o que leva à pergunta: até que ponto a produtividade pode diminuir? Neste relatório, nosso objetivo é explorar as principais tendências que podemos prever e destacar os pontos a serem observados, reconhecendo que é prematuro fazer previsões definitivas neste momento.

Figura 1: Média da umidade do solo em São Paulo (mm entre 0-1,6 m)

Fonte: Refinifiv, hEDGEpoint

Figura 2: Dias perdidos por quinzena no CS (número de dias considerando um limite de 5 mm)

Fonte: Bloomberg, hEDGEpoint

Antes de entrarmos em 24/25, é importante observar que a falta de chuvas durante o último mês de 2023 não é apenas uma má notícia para o desenvolvimento da cana, mas também desencadeia uma menor sobra de cana, pois impulsiona a moagem tardia. Portanto, em vez de considerar 5Mt de cana bisada, esperamos atualmente que o Centro Sul moa toda a sua matéria-prima disponível em 23/24, cerca de 651,5Mt. Isso significa que, com um mix de açúcar de 48,7%, a região pode produzir cerca de 42,2Mt de açúcar e, dado o ritmo atual de exportação, alcançar uma contribuição total de 33Mt para o fluxo de comércio internacional. Observe que, embora a Williams não tenha compartilhado o resumo final de dezembro, os números anteriores da agência sugerem que o país quebrou seu próprio recorde para o mês, atingindo mais de 3,5 milhões de toneladas exportadas, também em acordo com a SECEX.

Como resultado direto, as 640Mt estimadas anteriormente para 24/25 já foram reduzidas em 5Mt por conta da cana bisada, para 635Mt. Mas essa não foi a única revisão que fizemos.

Figura 3: Estimativas de área e TCH

Fonte: UNICA, Conab, hEDGEPoint

Considerando o clima adverso observado até agora e seu impacto na umidade do solo e no NDVI (Índice de Vegetação por Diferença Normalizada) para o Centro Sul, nosso modelo aponta que o TCH deve diminuir em quase 6%, se o clima não for totalmente favorável nos próximos meses. Portanto, nosso caso base considera 80,8 t/ha de TCH em 24/25, o que, juntamente com uma expansão média de área de 1,24%, levaria a 620 Mt de cana. Considerando os recentes investimentos feitos no processo de cristalização, a região seria capaz de atingir 50,9% de mix açúcar, o que levaria a, pelo menos, 41,7 Mt de açúcar na próxima temporada. Como resultado, embora o TCH possa ser corrigido, isso não significa uma quebra de safra, pelo contrário, significa o segundo maior resultado até agora.

Figura: Moagem por quinzena (Mt)

Fonte: UNICA, hEDGEPoint

O aumento das exportações permitiria que o Brasil resolvesse os fluxos comerciais. Portanto, embora tenham sido feitas correções em termos de disponibilidade, o fato de que o mercado internacional não parece tão apertado, apesar da redução da participação da Índia e da Tailândia, impede grandes reações de preço - tornando improvável que volte a 28c/lb.

É claro que há riscos. Nossas estimativas mostram que há uma faixa viável entre 611Mt e 635Mt, dependendo estritamente do clima dos próximos meses. Se o clima for extremamente seco e quente, a produtividade da cana pode cair e levar a produção de açúcar para perto de 41 milhões de toneladas, o que provocaria algum aperto no T2/24. Enquanto isso, se as chuvas forem abundantes entre janeiro e março, poderemos ver alguma recuperação, elevando o excedente do 3T/24 e do 4T/24 a níveis mais altos e até mesmo criando algum volume de bisada.

Portanto, o monitoramento rigoroso das condições climáticas é essencial, principalmente para decifrar as tendências de preços. O Brasil continua sendo a principal influência de baixa e é provável que continue nesse papel. Apesar do possível suporte de curto prazo aos preços devido à escassez, é fundamental reconhecer que a situação geral não é tão grave quanto se previa anteriormente. Os fluxos comerciais sugerem uma perspectiva mais equilibrada para o 4T/23 e o 1T/24, indicando que uma faixa de 20.5-22.5c/lb parece ser o novo normal. Os traders precisarão empregar estratégias criativas se quiserem ultrapassar esse intervalo.

Figura 6: Sazonalidade das exportações totais da CS vs. fluxos comerciais totais ('000t)

Fonte: SECEX, Williams, Green Pool, hEDGEPoint

Em resumo

Na semana passada, os preços recuperaram parte do terreno perdido após a queda significativa no mês passado, impulsionada por revisões para baixo da safra 24/25 do Centro Sul. É importante destacar, no entanto, que essa queda não significa uma quebra de safra; na verdade, ela até aumenta a disponibilidade de curto prazo, já que a seca de dezembro incentivou a moagem tardia de 23/24.

Países como a Índia e a Tailândia contribuem para o lado altista da equação, mas o Brasil pode conseguir resolver o déficit dos fluxos comerciais por conta própria. A queda esperada do TCH será parcialmente compensada pelo incremento da cristalização, o que significa que o Centro Sul ainda poderá produzir cerca de 42 Mt na próxima temporada com disponibilidade reduzida de matéria-prima, 620 Mt.

Relatório Semanal — Açúcar

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Victor Arduin
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.