Jan 29 / Lívea Coda

Relatório Semanal Açúcar e Etanol - 2024 01 29

🠔 Voltar para página principal do blog
"O mercado, buscando motivos para subir, conta com o apoio sazonal da demanda e rumores, enquanto o Brasil continua forte."

Buscando motivos para subir

  • O mercado de açúcar tem registrado maior volatilidade devido a uma mudança nos fundamentos em direção a um cenário mais equilibrado. Andar em corda bamba faz com que cada nova informação seja um possível gatilho para os preços, mesmo quando não se trata de um movimento fundamentalista.

  • A alta tomou a dianteira. O anúncio do governo indiano contemplando um possível aumento de 8% no preço mínimo da cana (FRP) para 2024/25 influenciou os preços. Isso, juntamente com as expectativas de condições mais secas do que a média no verão do Centro Sul, contribuiu para o aumento dos preços.

  • No entanto, o Brasil demonstrou sua força com uma moagem robusta e um mix de açúcar elevado durante a primeira quinzena de janeiro, levando a uma queda nos preços abaixo de 24c/lb.

  • O mercado, buscando motivos para subir, conta com o apoio sazonal da demanda e rumores, enquanto o Brasil continua forte.
A volatilidade do mercado de açúcar tem experimentado níveis elevados desde a mudança dos fundamentos para um cenário mais equilibrado. Conforme discutido em relatórios anteriores, um pequeno superávit ou déficit pode ser comparado a andar em uma corda bamba, com os preços suscetíveis a movimentos baseados nas forças predominantes. Na semana passada, o sentimento de alta tomou a dianteira.

Embora não tenham sido impulsionados por fatores fundamentais, os preços testaram o nível de 24,6 c/lb após o anúncio do governo indiano de que está contemplando um aumento de 8% no preço mínimo da cana pago pelas usinas em 2024/25, conhecido como Preço Justo e Remuneratório (FRP). Normalmente, o governo estabelece o FRP alguns meses antes do início da nova safra, mas, neste ano, um pode ser antecipado em uma tentativa de aumentar a disponibilidade de açúcar no país. Esse anúncio, combinado com as previsões de condições mais secas do que a média no verão do Centro Sul, serviu como um fator de alta.

Figura 1: Preços do açúcar bruto (c/lb)

Fonte: Refinitiv, hEDGEpoint

É importante observar que ainda não se chegou a uma decisão final em termos do FRP, enquanto nossas estimativas para o Brasil, 620 Mt de cana em 24/25, já levam em conta o clima menos favorável que induz a uma redução de 6% no TCH.

Figura 2: 24/25 está longe de ser uma quebra

Fonte: hEDGEPoint

Na quinta-feira foi a vez dos baixistas. O relatório da Unica lembrou ao mercado que o Brasil é uma força da natureza. Com uma moagem robusta de 1,1 Mt de cana durante a primeira quinzena de janeiro e um mix de açúcar de 34,2%, a região está mais perto de atingir 651 Mt, especialmente com algumas usinas anunciando um início antecipado para 24/25. Os preços voltaram a ficar abaixo de 24c/lb.

Além disso, na semana passada, embora percebidos por alguns como altistas, os números de moagem da Índia divulgados pela ISMA não só estavam dentro das expectativas, como também reduziram a diferença observada até dezembro. No final do mês passado, a discrepância entre a safra 23/24 e a 22/23 era de 7%. Somando a primeira quinzena de janeiro, essa diferença caiu para 5,3%. A associação acrescentou que as condições climáticas recentes foram positivas para a safra atual, levando os comissários de cana em estados importantes como Uttar Pradesh, Maharashtra e Karnataka a revisar para cima suas estimativas de produção de açúcar para a temporada 23/24 em 5% a 10% cada. Isso nos deixa ainda mais confortáveis em manter nossas estimativas de produção de açúcar inalteradas em quase 32 Mt.

Entretanto, esse aumento esperado na disponibilidade levou a ISMA a solicitar ao governo indiano um desvio adicional de 1-1,2Mt de açúcar para o etanol. Se permitido, isso poderia afetar negativamente nossas estimativas, mas observe que isso não mudaria o cenário de ausência de exportações.


Figura 3: Balanço de açúcar da Índia (Mt tq - out-set)

Fonte: ISMA, AISTA, hEDGEpoint

Portanto, pouco mudou em termos de fundamentos. Parece que o mercado está procurando um motivo para subir, contando com o apoio sazonal da demanda, evidenciado pelo aumento dos prêmios do físico em Santos, e dos anúncios ainda incertos. Enquanto isso, o Brasil continua sendo um forte fornecedor, com nomeações robustas de quase 3Mt até 24 de janeiro, aumentando o tempo de espera nos portos.

Figura 4: Prêmio do físico de Santos - Prompt (Usc/lb)

Fonte: Refinitiv, Green Pool, hEDGEPoint


Em resumo

A semana passada foi marcada por uma força de alta que atingiu seu pico na quarta-feira, quando o governo indiano anunciou que estava considerando aumentar o FRP. No entanto, pouco mudou em termos de fundamentos. De fato, o mercado permanece em um equilíbrio apertado. Enquanto consideramos um pequeno superávit, outras casas contam com um pequeno déficit, mas o resultado final é o mesmo: o aperto induz à volatilidade. Qualquer notícia ou rumor pode desencadear movimentos de preços de curta duração. Compreender a realidade por trás dos fundamentos é essencial para entender quando esses movimentos durarão. No momento, o Brasil está fazendo o que esperávamos: exportando o mais rápido e o máximo que pode para suprir a ausência do Hemisfério Norte. Ninguém disse que seria fácil, o prêmio do físico mostra isso, mas é viável e está acontecendo

Relatório Semanal — Açúcar

Escrito por Lívea Coda
[email protected]

Revisado por Natália Gandolphi
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.