Dec 7 / Natália Gandolphi

Relatório Semanal de Café - 2023 12 07

🠔 Voltar para página principal do blog
  • Os preços do café estão voláteis à medida que se aproxima o vencimento do contrato de dezembro, influenciados por mudanças nas regras de certificação do arábica na ICE e baixos estoques de destino.

  • As preocupações se concentram na safra 24/25 do Brasil, com o clima quente recente impactando a produção de conilon. Espírito Santo, principal estado produtor de conilon, tem um Índice ONI abaixo dos níveis de 2015, que antecederam uma queda de 30% na produção.

  • Apesar do Índice ONI mais baixo, o El Niño traz anomalias mais intensas em novembro de 2023, com temperaturas 9°C mais altas e precipitação 75mm abaixo da média.

  • Contrapondo padrões climáticos de 2015 e 2023, as condições de vegetação foram mais negativas em 2015, não apenas em Espírito Santo, mas também em outras regiões produtoras de café.

  • Para as próximas semanas, é necessário cautela em relação ao clima: a manutenção de temperaturas mais altas e chuvas abaixo da média pode prejudicar os rendimentos e diminuir o potencial visto até outubro no Espírito Santo.
  • O impacto do El Niño nas áreas de conilon

    Os preços do café têm sido mais voláteis à medida que nos aproximamos do vencimento do contrato de dezembro, em meio a mudanças nas regras de certificação do arábica na ICE e estoques de destino historicamente baixos.

    As preocupações agora se voltam para a safra 24/25 no Brasil, já que o recente clima quente tem sido atribuído como a causa da queda de chumbinhos nas áreas de café, especialmente para o conilon.

    Ao analisar o Espírito Santo, principal estado produtor de conilon, há alguns pontos a serem considerados.

    Primeiro, é importante notar que o Índice ONI não atingiu os mesmos níveis vistos em 2015 durante o desenvolvimento (Figura #1) – antes da queda de 30% na produção observada (de 15,3 milhões de sacas em 15/16 para 10,7 milhões de sacas em 16/17, considerando que a safra 15/16 já estava fragilizada por problemas climáticos).

    Normalmente, o fenômeno leva a temperaturas mais quentes e níveis mais baixos de precipitação na região durante os últimos dois meses do ano (Figura #2).

    Figura 1: Índice ONI - Status ENSO (°C)
    Figura 2: Anomalias do El Niño em novembro-dezembro

    Fonte: NOAA

    Fonte: hEDGEpoint

    Além de outros impactos globais das mudanças climáticas, o fenômeno El Niño trouxe anomalias mais intensas, apesar do índice ONI mais baixo. Comparando novembro de 2023 com a média histórica, as temperaturas máximas têm sido mais altas do que o normal em 9°C (Figura #3), e a precipitação mensal está 75mm abaixo da média (Figura #4) – e os níveis observados também são mais agravantes do que os vistos em 2015.

    Figura 3: Anomalia de Temperatura Máxima (°C)

    Fonte: USDA

    Figura 4: Anomalia de Precipitação (mm)

    Fonte: USDA

    Figura 5: Anomalia NDVI - Primeira semana de dezembro

    Fonte: USDA

    No entanto, há dois pontos a serem considerados em contraste com os padrões climáticos.

    i) Condições de vegetação

    Em 2015, uma vez que o fenômeno El Niño já estava ativo por um período mais longo, a safra já estava fragilizada, e os níveis de NDVI eram mais negativos na primeira semana de dezembro em comparação com 2023. Isso também é verdade para outras regiões produtoras de café, como Minas Gerais, São Paulo e Paraná (Figura #5).

    ii) Aumento de área

    Dadas as margens de lucro observadas pelos produtores de conilon em 2021, houve um incentivo para a expansão da área na região. As margens foram mais altas naquele ano em comparação com os outros períodos desde 2018 (Figura #6).


    Consequentemente, a expansão de área observada desde 2021 (Figura #7) estaria atingindo o potencial médio de produção nos próximos 2-3 anos, destacando o período 24/25 como um ponto-chave no tempo.

    Figura 6: Razão de Preços/Custos de Produção do Conilon

    Fonte: Cepea, Conab

    Figura 7: Área Total de Conilon - Conab ('000 ha)

    Fonte: Conab

    Em resumo

    Os preços do café estão experimentando uma volatilidade aumentada devido à aproximação do vencimento do contrato de dezembro, mudanças nas regras de certificação do arabica ICE e estoques de destino historicamente baixos. As preocupações agora se concentram na safra 24/25 no Brasil, com o clima quente recente afetando áreas de café, especialmente o conilon.

    Ao examinar o Espírito Santo, principal estado produtor de conilon, o Índice ONI não atingiu os níveis de 2015, que antecederam uma queda de 30% na produção. Apesar do Índice ONI mais baixo, o El Niño causou anomalias mais intensas, com temperaturas de novembro de 2023 9°C mais altas e precipitação 75mm menor do que em novembro de 2015.

    Contrastando padrões climáticos, as condições de vegetação em 2015 eram mais negativas, e o aumento de área também foi significativo nos últimos anos.

    Porém, para as próximas semanas, é necessário cautela em relação ao clima: a manutenção de temperaturas mais altas e chuvas abaixo da média pode prejudicar os rendimentos e diminuir o potencial visto até outubro no Espírito Santo.

    Relatório Semanal — Café

    Escrito por Natália Gandolphi
    [email protected]

    Revisado por Victor Arduin

    [email protected]

    www.hedgepointglobal.com

    Aviso legal

    Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

    Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.