Dec 15 / Natália Gandolphi

Relatório Semanal de Café - 2023 12 15

🠔 Voltar para página principal do blog
  • As exportações de café do Brasil testemunharam um aumento significativo, atingindo 4,3 milhões de sacas em novembro, ultrapassando a média em 1,3 milhão de sacas (um notável aumento de 42%).

  • Esse crescimento é atribuído à maior disponibilidade na safra brasileira 23/24 e aos preços competitivos, remodelando os padrões de destinos.

  • Apesar da redução nas importações, os Estados Unidos continuam sendo o principal destino, recebendo 5,47 milhões de sacas em 2023 (15,63% do total). Destaca-se que o Japão registrou um aumento de 22% nas importações de café brasileiro, relacionado à retirada de estoques, enquanto as importações da China dispararam impressionantes 221%.

  • O Brasil conseguiu substituir com sucesso a Etiópia como principal fornecedor de arábica natural para a China, com um aumento de 194% nas exportações impulsionado por diferenciais de preço favoráveis. Essa mudança destaca as dinâmicas em evolução no cenário global do comércio de café.
  • Exportações de café do Brasil e as tendências globais em transformação

    Em relatórios anteriores, analisamos o desempenho da demanda nos destinos, com dados da União Europeia sugerindo um crescimento mais forte do que inicialmente esperado, já que a diminuição nas importações não explicava totalmente a tendência nos estoques.

    Entretanto, isso foi uma imagem capturada no ciclo 22/23 e, desde então, as exportações brasileiras aumentaram, alterando o cenário nos destinos. As remessas atingiram 4,3 milhões de sacas em novembro, sendo 3,2 milhões de sacas de arábica e 856 mil sacas de conilon (Figura 1).

    O total ultrapassou a média em 1,3 milhão de sacas, quase 42%. Esse movimento é explicado pela maior disponibilidade na safra brasileira 23/24 em comparação com a 22/23, bem como pelos preços competitivos do Brasil em relação a outras origens.

    Ao considerar a cifra acumulada para 2023 (jan-nov), os Estados Unidos foram o principal destino do café brasileiro, com 5,47 milhões de sacas, ou 15,63% do total (Figura 2). Alemanha e Itália vêm em segundo e terceiro lugares, embora a UE como um todo tenha importado 14,73 milhões de sacas do Brasil este ano (uma redução de 14% em relação ao ano anterior).

    Figura 1: Exportações Brasileiras de Café, por Tipo ('000 sacas)
    Figura 2: Exportações Brasileiras de Café, por Destino (M sacas)

    Fonte: Cecafé

    Fonte: Cecafé

    Ao analisar cada país separadamente, os números são surpreendentes – os Estados Unidos importaram 26% a menos em comparação com 2022, a Alemanha 30% a menos e a Itália, 9%. Então, surge a pergunta: dado que o Brasil está exportando mais e os principais destinos estão importando menos, para onde está indo o café?

    Figura 3: Exportações Brasileiras Cumulativas por Destino (sacas)

    Fonte: Cecafé

    Quanto aos destinos tradicionais, o Japão registrou um aumento de 22% nas importações de café brasileiro, mas esse movimento está relacionado à retirada anterior de estoques no país.

    Considerando dados dos últimos dois anos, os estoques de origem brasileira no Japão diminuíram em 46% - a maior queda entre as origens relatadas.

    Quanto a outros destinos, destaca-se a China: o país importou 1,15 milhão de sacas do Brasil em 2023 – um aumento de 221% em relação às 359 mil sacas relatadas no ano anterior!


    É importante observar que o Brasil assumiu o lugar da Etiópia como principal fornecedor de arábica natural para a China.

    Do terceiro trimestre de 2022 ao terceiro trimestre de 2023, as exportações da Etiópia para a China caíram 49%, enquanto as exportações brasileiras para o país aumentaram em 194%.

    Esse movimento se deve principalmente à diferença de preços entre os dois países (o diferencial médio FOB para arábica natural da Etiópia estava em -3 c/lb no período, enquanto o brasileiro good cup ¾ MTGB 14/16 estava em média -17 c/lb).
    Figura 4: Importações de Café pela China - Terceiro Trimestre, 2022 e 2023 ('000 sacas)

    Fonte: Trade Map

    Em resumo

    As exportações de café do Brasil dispararam, atingindo 4,3 milhões de sacas em novembro, superando a média em 1,3 milhão de sacas (42%). Esse aumento é atribuído à maior disponibilidade na safra 23/24 e aos preços competitivos. Apesar de uma queda, os Estados Unidos permanecem como principal destino, com 5,47 milhões de sacas em 2023 (15,63% do total).

    Destinos tradicionais, como o Japão, registram um aumento de 22%, enquanto as importações da China dispararam incríveis 221%, tornando o Brasil seu principal fornecedor de arábica natural, substituindo a Etiópia. Essa mudança se deve principalmente às diferenças de preço, com o Brasil oferecendo uma opção mais competitiva.

    Relatório Semanal — Café

    Escrito por Natália Gandolphi
    [email protected]

    Revisado por Victor Arduin

    [email protected]

    www.hedgepointglobal.com

    Aviso legal

    Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

    Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.