Dec 29 / Natália Gandolphi

Relatório Semanal de Café - 2023 12 29

🠔 Voltar para página principal do blog
  • O foco principal no mercado de café está centrado nas condições climáticas no Brasil durante a fase crítica de desenvolvimento da safra 24/25.

  • Em Três Pontas, Minas Gerais, uma região representativa para a produção de café, a precipitação acumulada de outubro a meados de dezembro está 30% abaixo do normal, aumentando as preocupações sobre possíveis impactos na produção.

  • Enquanto isso, na região de São Mateus, Espírito Santo, apesar da irrigação generalizada, apenas 20% dos níveis esperados de chuva foram registrados no mesmo período, indicando uma situação mais grave.

  • O atual balanço hidrológico no Sudeste reflete as condições de 2020, que precederam a quebra na safra 21/22, resultando em uma redução de 3% na produtividade média em comparação com o ano anterior de bienalidade negativa (19/20). Modelos de previsão indicam uma continuidade na redução até o início de janeiro, com áreas em Minas Gerais, Mogiana e Paraná esperando receber apenas 80% dos níveis normais de chuva.

Desafios Climáticos para a Safra 24/25 do Brasil

O ponto central atual no mercado de café gira em torno das condições climáticas no Brasil, especialmente em relação ao desenvolvimento da safra 24/25. Esta fase é crucial, pois marca o estágio de enchimento, e dados históricos indicam que a precipitação inadequada durante este período pode afetar significativamente os rendimentos.

Um ponto de atenção é evidente na região de Três Pontas em Minas Gerais, onde os níveis acumulados de chuva de outubro até a terceira semana de dezembro estão alarmantemente 30% abaixo da faixa normal. Essa região depende fortemente da precipitação, tornando a situação preocupante.

Enquanto isso, no Espírito Santo, especificamente na região de São Mateus, a situação se agrava. Apesar da maioria das áreas do estado ser equipada para irrigação, a região de São Mateus recebeu apenas 20% da chuva esperada durante o mesmo período.

Figura 1: Precipitação Acumulada - Região de Três Pontas (mm)
Figura 2: Precipitação Acumulada - Região de São Mateus (mm)

Fonte: USDA, CPC

Fonte: USDA, CPC

O balanço hidrológico no Sudeste se assemelha ao registrado em 2020, que gerou a quebra de safra do ciclo 21/22. Durante esse período, a produtividade média do café caiu 3% em comparação com o ano anterior de bienalidade negativa (19/20), resultado de condições climáticas desfavoráveis.

Agravando as preocupações, os modelos de previsão indicam uma contínua redução no balanço hidrológico até a primeira semana de janeiro. As chuvas previstas podem não ser suficientes para repor o impacto recente.

Projeções apontam que as regiões no Sul de Minas Gerais, Mogiana e Paraná podem receber apenas até 80% dos níveis normais de precipitação. Essa previsão levanta preocupações sobre o potencial impacto na produção de café nessas áreas.

Figura 3: Balanço Hidrológico - Sudeste do Brasil (GWmed)

Fonte: Refinitiv

Figura 4: Previsão de Anomalia de Precipitação - 29 de dezembro a 12 de janeiro (% do normal)

Fonte: World Ag Weather

Em resumo

Em resumo, o mercado de café está acompanhando de perto as condições climáticas no Brasil, especialmente nas regiões Sul de Minas Gerais e Espírito Santo, representadas aqui por Três Pontas e São Mateus, respectivamente.

Os níveis de precipitação abaixo do normal representam uma ameaça significativa para a safra 24/25, evocando os desafios enfrentados em 2020, que resultaram em uma queda na produção de café. A continuidade prevista de padrões climáticos desfavoráveis ​​aumenta as preocupações, sendo necessário manter este ponto no radar nos próximos dias.

Relatório Semanal — Café

Escrito por Natália Gandolphi
[email protected]

Revisado por Lívea Coda

[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento. A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408 (somente para clientes no Brasil).

Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.