Dec 11 / Victor Arduin

Relatório Semanal Macroeconomia - 2023 12 11

🠔 Voltar para página principal do blog
"A taxa de crescimento do produto interno bruto (PIB) brasileiro no terceiro trimestre de 2023 foi de 0,1%, elevando o acumulado do ano para 3,2%. A tendência é que esse patamar seja mantido ao final de 2023."

Economia brasileira surpreende, mas taxa de investimento está caindo

  • A economia brasileira viveu em 2023 um ano bastante positivo, com revisões altistas em suas projeções de crescimento grande parte do ano.
  • Uma vez que inflação caiu para patamares mais confortáveis, o Banco Central do Brasil passou iniciar o começo do ciclo de corte de juros no país, algo que beneficiou ativos de risco e criou um ambiente mais propício para expansão do PIB.
  • Contudo, alguns sinais preocupam e precisam ser considerados. Taxa de investimento e poupança bruta estão caindo no país, um sinal que a capacidade produtiva do país pode ter mais dificuldades no futuro, pois depende de capital para sua expansão.

Introdução

A taxa de crescimento do produto interno bruto (PIB) brasileiro no terceiro trimestre de 2023 foi de 0,1%, elevando o acumulado do ano para 3,2%. A tendência é que esse patamar seja mantido ao final de 2023. Nesse contexto, ativos de risco, refletidos no Índice Ibovespa, acumularam ganhos nos últimos meses, e o dólar tem se mantido estável, abaixo de R$ 5,00.

No entanto, outros dados trazem preocupação e devem ser considerados com atenção. A taxa de investimento no país está caindo, assim como a formação bruta de poupança. Isso tende a diminuir o potencial de crescimento no longo prazo. Ainda, o equilíbrio fiscal do país parece que levará mais tempo para ser alcançado, o que pode pressionar a inflação em algum momento, elevando a incerteza e propiciando um ambiente para juros mais elevados.

Figura 1: Brasil - Inflação Acumulada 12 Meses (%)

Fonte: Refinitiv

Figura 2: Brasil - Taxa Trimestre contra Trimestre Anterior (%)

Fonte: Refinitiv

Ambiente de juros menos restritivos impulsiona ativos de risco

O Banco Central do Brasil (Bacen) começou a reduzir a taxa básica de juros (Selic) em agosto de 2023. Desde então, o mercado acionário brasileiro tem se apreciado, refletindo o maior apetite ao risco dos investidores. A expectativa é que o Bacen continue a reduzir a Selic no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) nesta quarta-feira (13), com uma provável queda de 50 pontos-base (bps).

Não só o cenário doméstico, mas também o internacional anima. Dados dos EUA mostram que a inflação está convergindo para a meta de 2%, com sinais de desaceleração do mercado de trabalho, ainda que resiliente. Isso fortalece o cenário de corte de juros na maior economia do mundo ainda no primeiro semestre de 2024, abrindo caminho para que o Bacen siga política de corte de juros.
Figura 3: Índice Ibovespa - Brasil

Fonte: Refinitiv


Recentemente dados sobre o PIB surpreenderam, com crescimento de 0,1% (projeções apontavam -0,3%). Olhando componentes da produção, serviços e indústria foram os principais destaques, com crescimento de 0,6% em ambos os setores. Agricultura, que teve um crescimento excepcional no primeiro trimestre do ano, registrou -3,3% no último trimestre, apagando parte de seus ganhos acumulados em 2023.

De maneira geral, as projeções indicam que o Brasil deverá crescer em torno de 3% neste ano, um desempenho bastante positivo dado o ambiente de juros altos e restritivos. Contudo, há alguns pontos de atenção que devem ser observados. A taxa de investimento e poupança caiu de 18,3% para 16,3% em comparação ao mesmo período do ano passado. Por enquanto, a economia reflete o otimismo do processo de desinflação do país. No entanto, é importante pensar no desenvolvimento sustentável no longo prazo, que depende de investimento, e está caindo no momento.
Figura 4: Taxa de Investimento e Taxa de Poupança Bruta (%)

Fonte: Bloomberg

Riscos persistem com dívida do setor público

Se por um lado os dados da economia trazem otimismo, por outro lado a crescente dívida do país preocupa e pode ser um obstáculo ao crescimento do país no futuro. Apesar do esforço do governo em melhorar o resultado primário, por meio de maior arrecadação, a dívida líquida continua aumentando com novos gastos do governo.

Caso o equilíbrio fiscal não seja alcançado no médio prazo, isso deverá resultar em maiores juros na economia em algum momento, caso o Bacen siga firme em seu objetivo de manter a inflação em 3% de 2024 a 2026. Alternativamente, o governo pode trocar a meta de inflação, acomodando um ambiente de preços mais elevados. No entanto, isso resultaria em um choque nas expectativas dos investidores, diminuindo a atratividade do país e prejudicando seu crescimento de médio e longo prazo.
Figura 5: Dívida Líquida Vs Resultado Primário - Brasil

Fonte: Refinitiv

Em Resumo

A forte expansão do PIB este ano mostra que os juros talvez não estivessem em um patamar tão restritivo como se pensava, mas, com a inflação sob controle e convergindo para a meta, não há motivos para alterar o ritmo do corte de juros.

Crescimento econômico do Brasil tem surpreendido no período pós-pandemia, provavelmente resultado de reformas estruturais dos últimos anos que ajudaram a trazer mais dinamismo para a economia brasileira, como a autonomia do Banco Central, por exemplo.

No entanto, o país ainda enfrenta desafios significativos. O equilíbrio fiscal tem sido uma das principais dificuldades da política brasileira, pois a pressão por mais gastos públicos tem prejudicado o resultado primário, mesmo com um grande esforço de aumento da arrecadação.

Relatório Semanal — Macro

Escrito por Victor Arduin
[email protected]

Revisado por Alef Dias
[email protected]

www.hedgepointglobal.com

Aviso legal

Este documento foi preparado pela hEDGEpoint Global Markets LLC e suas afiliadas (‘HPGM”) de forma exclusiva para fins informativos e instrutivos, sem a finalidade de instituir obrigações ou compromisso com terceiros, bem como, não pretende promover oferta, ou solicitação de oferta, de venda ou compra relativos a quaisquer valores mobiliários ou produtos de investimento.

A HPGM não atua como Consultor/Assessor de Negociação de Commodities oferecendo negociação personalizada ou consultoria de investimento aos clientes. Os clientes devem confiar em seu próprio julgamento independente e em consultores/assessores externos antes de entrar em qualquer transação introduzida pela empresa.

A HPGM e seus associados se eximem expressamente de qualquer uso das informações aqui contidas, que derivem prejuízos ou danos de forma direta ou indireta de qualquer espécie. Em caso de dúvidas não resolvidas na primeira instância de contato com o cliente ([email protected]), entre em contato com nosso canal interno de ouvidoria ([email protected]) ou 0800-878-8408/[email protected] (somente para clientes no Brasil).


Para acessar esse relatório, você precisa ser um assinante.